Estudantes da FMT apresentam resultados de pesquisas realizadas na USP

Depois de um ano de estágio curricular no laboratório de Virologia Clínica e Molecular do Instituto de Ciências Biomédicas II (ICB), da Universidade de São Paulo (USP), os alunos Cairo Monteiro de Oliveira e Natan Gomes dos Santos, concluem o curso de Biomedicina, na Faculdade Madre Thais (FMT), de Ilhéus.

O trabalho de conclusão de curso que será defendido por Cairo trata da “Padronização de RT-PCR para detecção e avaliação de flavivirus em aves de diferentes regiões do Brasil”. Por sua vez Natan está abordando “Epidemiologia e caracterização molecular do metapneumovírus humano (hMPV), em pacientes pediátricos da cidade de São Paulo”.

O discente Cairo Monteiro destaca em seu trabalho “a grande habilidade de expansão em áreas endêmicas e a rápida dispersão para regiões não endêmicas, juntamente com o alto potencial zoonótico, torna os Flavivirus um grande problema à saúde global no que diz respeito a emergências de viroses. Aves migratórias estão envolvidas na dispersão destes vírus para várias regiões por meio de processos migratórios. No Brasil, rotas migratórias de aves ao longo do território permitem passagem de inúmeras espécies de aves, que quando entram em contato com outros animais e humanos em determinadas regiões, favorecem dispersão de Flavivirus”.

A pesquisa desenvolvida no Laboratório de Virologia Clínica e Molecular do ICB da USP, com a participação dos docentes Zulane Lima Sousa, Carla Meneguin Barbosa, Daniele Bruna Leal de Oliveira, Flávio da Silva Mesquita, Vanessa Barbosa da Silveira, Tatiana Lopes Ometto e Edison Luiz Durigon, tem por objetivo “padronizar um protocolo de RT-PCR para detecção de espécies de Flavivirus e avaliar a presença de Flavivirus em aves de algumas regiões do Brasil. Foi realizado uma pesquisa de Flavivirus pelo método de RT-PCR padronizado neste estudo em 308 amostras de swabs e de sangue de aves de três regiões do território brasileiro (Panaquatira/MA, Ilha Comprida/SP e Clube de Campo/SP), coletadas entre os anos de 2015, 2016 e 2017.

O protocolo de RT-PCR padronizado neste estudo demonstrou-se capaz de ser utilizado como método de pesquisa e diagnóstico de Flavivirus em animais e em humanos. Apesar das amostras serem negativas para Flavivirus por meio do ensaio de RT-PCR, não se deve descartar o potencial risco de transmissão e dispersão de Flavivirus nas regiões analisadas.

Já a pesquisa de Natan Gomes dos Santos focaliza “Epidemiologia e caracterização molecular do metapneumovírus humano (hMPV), em pacientes pediátricos da cidade de São Paulo” sobre o  Metapneumovírus Humano (hMPV), um vírus relativamente novo, descrito pela primeira vez em 2001 na Holanda. Considerado um importante agente de Infecções Respiratórias Agudas (IRAs) em pacientes pediátricos, sendo um dos vírus respiratórios mais predominantes nesta população, após o vírus sincicial humano. Essa pesquisa teve a participação das docentes Núbia Regina Silva Santos e Danielle Bruna Leal. O estágio dos alunos teve a orientação da nossa docente Milena Magalhães Aleluia. 

 A prevalência do hMPV tem sido discutida mundialmente, entretanto, estudos sobre a epidemiologia e características moleculares do hMPV são escassos no Brasil, mesmo sendo um vírus considerado ubiquitário e comum em humanos. Estudos filogenéticos descrevem a existência de duas linhagens: A e B, e dois subgrupos de cada linhagem com variabilidade antigênica (A1, A2, B1 e B2).

Em seu estudo Natan avaliou as características epidemiológicas e moleculares do hMPV em pacientes pediátricos atendidos no Hospital Universitário da Universidade de São Paulo com doença respiratória aguda (DRA) em estudo retrospectivo durante o ano de 2015 na cidade de São Paulo, Brasil. Para chegar a essa conclusão o estudante utilizou a técnica de qRT-PCR para a detecção dos hMPV de aspirado de nasofaringe de 1317 crianças entre janeiro a outubro de 2015. O hMPV foi detectado em 120 (9,1%) crianças. O sequenciamento do gene F do hMPV demonstrou os dois grupos (A e B) e apenas três subgrupos co-circulando (A2, B1 e B2) durante o período de estudo, com predominância do subgrupo B2. 

Na avaliação da professora Ana Paula Adry, Coordenadora do curso de Biomedicina na FMT “A troca de experiência com os pesquisadores e docentes da USP deu aos alunos Cairo e Natan a oportunidade de desenvolverem novas habilidades, tornando-os bem mais preparados para enfrentar os desafios da carreira escolhida. O estágio é uma oportunidade para os alunos complementarem o aprendizado obtido em sala de aula, vivenciando na prática os conteúdos teóricos. Apesar de ser difícil fazer pesquisa em instituição privada, a FMT orgulha-se de proporcionar a seus alunos experiências científicas em nossa instituição e em instituições parceiras de renome como a USP, os nossos formandos estão muito bem preparados para o mercado de trabalho", conclui a coordenadora.