Nova geração de poetas de Ilhéus recebe premiação de concurso

Júlia Thalita Oliveira Correia, estudante da turma A, do 3º ano do ensino médio, da Escola Estadual Eduardo Catalão, é a vencedora do Concurso de Poesia Castro Alves, promovido pela Secretaria Municipal da Cultura, com o apoio da Academia de Letras de Ilhéus. Em segundo lugar ficou a estudante Alice Martins Valero, do 9º ano, do Colégio Vitória, seguida, em terceiro, por Larissa Beatriz Soares de Sá Mota, do 3º ano do ensino médio, do Colégio São Jorge dos Ilhéus. O concurso ainda premiou, com “Menção Honrosa”, Anastácia Carvalho Vitorino Duarte, estudante da turma A, do 1º ano, da Escola Sesi Adonias Filho. As premiações foram entregues ontem (14) à tarde, em solenidade que aconteceu na praça Castro Alves, ao lado do busto do poeta baiano, no centro de Ilhéus.

Os premiados receberam diploma, publicações da Editus (editora da Universidade Estadual de Santa Cruz) e, a primeira colocada, em especial, um tablet ofertado pela direção do Hospital de Olhos Cenoe, apoiador da iniciativa cultural. A Fundação Pedro Calmon - instituição que coordena o sistema de Arquivos e Bibliotecas Públicas do Estado da Bahia, além de ser responsável pela execução de políticas públicas de fomento ao livro e estímulo à leitura – também doou 20 livros a cada estudante premiado.

Homenagem ao maior de todos os poetas brasileiros - O ato, bastante concorrido, foi iniciado com uma homenagem de membros da Academia de Letras de Ilhéus, que depositaram, uma coroa de flores em frente ao busto de Castro Alves, que ontem completou 171 anos de nascimento. O escritor e secretário municipal Pawlo Cidade, explica que o dia 14 de março foi criado pela Unesco, como o Dia Mundial da Poesia, com o objetivo de estimular a produção e celebrar a poesia como forma de arte em todo o mundo. No entanto, no Brasil, a partir de 2015, através de uma nova lei, o Dia Nacional da Poesia passou a ser comemorado em 31 de Outubro, data do aniversário de Carlos Drummond de Andrade. 

Alto nível - O ineditismo no concurso realizado este ano ela Secult esteve na quantidade de participantes e na qualidade das obras, atesta o professor e historiador André Rosa. Participaram 61 obras, inscritas entre 9 de fevereiro e 9 de março, representadas por estudantes de 10 escolas, entre públicas e privadas. “Pelo fato de ser o primeiro, nos surpreendeu o alto nível”, atestou. Para os próximos anos, a ideia é ampliar o número de escolas participantes e de premiados e lançar um livro com as obras, segundo informou Pawlo Cidade. “Temos que potencializar o que já é, de fato, um potencial”, reforçou André Rosa.

Valorização e reconhecimento - A emoção tomou conta da premiação. Diretores das escolas e familiares prestigiaram o ato. Os imortais da ALI destacaram a importância do estímulo do conteúdo poético nas escolas. “Esta é, de fato, a proposta. As escolas precisam fomentar a literatura e despertar o interesse dos jovens pela leitura”, completou Pawlo Cidade. Diretora do Colégio Vitória, a professora Aninha Melo, presente ao ato, destacou a importância de uma cidade culturalmente rica como Ilhéus, promover ações que representem a construção de uma nova geração de escritores na cidade, que é berço-mãe da civilização regional.