Escola de Piaçaveira, que foi esquecida por 25 anos, ganha contornos de respeito

As obras de construção da Escola Municipal de Piaçaveira, na localidade interiorana do Japu, em Ilhéus, seguem em ritmo acelerado. A previsão de entrega é ainda no primeiro semestre deste ano. No lugar da velha escola de madeira, insalubre, cheia de infiltrações, abandonada por 25 anos, que ganhou repercussão nacional em matéria exibida pelo Fantástico, da Rede Globo, agora surge com um projeto moderno, com características de uma escola de verdade. “Estamos acabando com esta ferida que envergonhou a nossa cidade. A escola da vergonha, do absurdo, está sendo transformada na escola da dignidade, do respeito ao futuro de ilhéus”, afirma o prefeito Mário Alexandre.

O projeto arquitetônico compreende a construção de sala, cozinha americana e banheiros. “Estamos construindo uma nova escola. São para 30 alunos, é verdade. Mas cuidamos do projeto com o olhar de que ali pudessem estar naquele novo espaço, 30 mil crianças. O olhar do respeito a cada um cidadão de Ilhéus”, assegura o prefeito.

Logística complexa - A Ordem de serviço para a construção da escola foi assinada dia 4 de janeiro. Apesar de uma obra relativamente pequena, há uma grande dificuldade na logística. O local fica a mais de 40 quilômetros afastados da sede e 80 por cento do seu trajeto, a estrada é vicinal, sem pavimentação. A obra fica a apenas 100 metros da divisa limítrofe com Uruçuca. Para transportar material, o caminhão tem que atravessar o rio Japu, um obstáculo a mais na operação.

Em Ilhéus, dez escolas da rede municipal estão em reforma e ampliação. Duas já foram entregues: Barão de Macaúbas, no Pontal, e Semente da Esperança, em Olivença. “Nosso desafio não se restringe apenas a construir ou reformar prédios, mas oferecer algo que realmente traga um sentimento de pertencimento à comunidade. Estou confiante que as gerações se orgulharão por fazer parte desta história”, destaca a secretária de Educação, Eliane Oliveira.

Realidade histórica - Um levantamento feito ano passado pela secretaria municipal de Educação, aponta que das 119 escolas da rede municipal apenas 53 estão localizadas na sede de Ilhéus. As demais, na zona rural. Deste total, pelo menos 60 necessitam de reforma. E, desta quantidade, 20 precisam ser demolidas e reconstruídas. “São prédios e casas adaptadas como escolas que ficaram muitos anos sem manutenção por parte dos governos que passaram por Ilhéus”, explica Eliane Oliveira.

Em Piaçaveira, a expectativa toma conta dos estudantes que, por enquanto, aprendem a ler e escrever em um salão improvisado de um templo evangélico. A dona de casa Sirleide dos Santos, de 36 anos, é mãe da Jamile, de oito anos. Emocionada, ela disse que finalmente sua filha irá estudar numa escola digna. “Esperamos muitos anos por esta escola. Antes, as condições eram precárias, sem condições nenhuma de funcionamento e por não ter outro lugar, a gente deixava nossos filhos naquela situação”, lembra. Sirlene disse que finalmente agora seus filhos terão uma sala de aula maior, equipada com cozinha e banheiros.

Cara de escola - “Estou impressionada”, exclamou a moradora do Japu, Luzinete Ramos dos Santos. Ela relata que com o passar dos anos, a desesperança tomou conta de mães e pais da comunidade, pois com as passagens de outros governos a expectativa de uma nova escola se distanciava. “Tenho duas filhas matriculadas. Agora eu sei que as minhas filhas vão estudar em um lugar com cara de escola. Creio que dará mais ânimo para elas se esforçarem”, comemora.